Home > ANTONIO MACHADO > Sucesso de Libra para o país depende da Petrobras reaver o caixa e o etanol não ser esquecido

ANTONIO MACHADO

23/10/2013 01:40 por Redação

Sucesso de Libra para o país depende da Petrobras reaver o caixa e o etanol não ser esquecido

Preço represado da gasolina tolhe o resultado operacional vis-à-vis à necessidade de investimentos no pré-sal e limita as chances do etanol

 Passado a tensão do governo com o leilão do megacampo de Libra, um evento que reuniu um único consórcio de quatro petroleiras, afora a Petrobras, mas melhor que o receio de que não comparecesse ninguém, as atenções retornam para a realidade da economia, mais salgada que a expectativa de lucros bilionários do pré-sal daqui a uma década.

 Até 2027, quando Libra poderá produzir 1,4 milhão de barris/dia, segundo projeção da Agência Nacional do Petróleo, com a produção total do país em torno de 4,4 milhões/dia, acima do dobro da atual contagem, o pré-sal vai impressionar mais pelo desembolso que pela receita e pela distribuição de 15% de royalties à educação (75% do bolo) e à saúde (25%). O início comercial da exploração de Libra será gradativo, por volta de 2017, se não surgir nenhum imprevisto.

 Até lá o pré-sal explorado sob o regime de partilha (que garante à União um naco da produção de petróleo, 41,65% no caso de Libra, em vez das taxas cobradas no modelo de concessão) não será a riqueza sonhada pelos governadores e prefeitos que exigiram do Congresso os royalties repassados nacionalmente. Como em qualquer projeto novo, há o tempo de plantar, que demanda dinheiro, e o de colher, quando se recupera com lucro, tudo correndo bem, o que foi plantado.

 Entre um e outro momento, planejam-se os próximos passos, o que já não se fez, na medida em que os políticos se posicionam para gastar por conta do resultado futuro. Eles falaram em educação de primeiro mundo, associando gasto a qualidade, conceitos sem relação de causa e efeito, em geral. Meses atrás o ministro Edison Lobão, de Minas e Energia, cogitou o ingresso no Brasil no cartel da OPEP. Do sal que se tem de comer antes do mel projetado pelo pré-sal ninguém disse.

 O que a operação reserva à Petrobras, mesmo auxiliada pelos sócios do consórcio (as petroleiras Shell e Total, que também vão aportar experiência, e as chinesas CNPC e CNOOC, apenas dinheiro), é uma pancada. Parte está contemplada em seu plano de negócios até 2017, orçado em US$ 237 bilhões, 62% em exploração e produção, sobretudo para desenvolver o pré-sal e os campos da “cessão onerosa” – forma “criativa” de a União integralizar em 2010 um aumento de capital em valor equivalente a 5 bilhões de barris de óleo.

 Potencialmente, a Petrobras é uma joia. Mas precisa ser lapidada para vir a brilhar.

Quando a conta não fecha

 Com ou sem o cronograma de exploração de Libra, que com os sócios externos (dois deles de capital aberto, Shell e Total) deverá ser cumprido à risca, a Petrobras já estava no teto de seus recursos. A dívida, de US$ 112,7 bilhões, é a maior do mundo entre empresas com ações cotadas em bolsas – uma restrição para maior alavancagem, já que a tomada de recursos no mercado é função do patrimônio líquido.

 O capital próprio vem em boa parte da geração de caixa, que sempre foi a grande fonte de custeio de seus investimentos. Mas o preço da gasolina e do diesel tem sido sistematicamente praticado abaixo do custo de importação (que é feita não por falta de petróleo, mas de capacidade de refino vis-à-vis a demanda), e também da necessidade de caixa em relação ao plano de investimento.

 Essa conta não fecha, como também a deixa em situação constrangedora para cumprir o que a lei de partilha exige: que seja operadora única do pré-sal e tenha 30% no mínimo de todos os contratos licitados.

Pré-sal movido a álcool

 Os interesses políticos do governo com o custo de vida (sobretudo devido ao diesel utilizado em transportes públicos) e o controle da inflação já criaram distorções em cadeia. Sem a reposição do caixa, dependente de aumentos sucessivos da gasolina e do diesel, resta à Petrobras, para bancar o funding dos investimentos, se endividar, o que, além de caro, é limitado pelo resultado, e se volta ao caixa.

 O preço represado da gasolina também limita as chances do etanol, combustível substituto, mas com eficiência energética menor. E tem mais: quanto menor o atrativo do álcool, mais produção de petróleo será queimada no mercado interno. Isso é no way. É a exportação de óleo bruto ou refinado que vai pagar o desenvolvimento do pré-sal.

Os vieses de longo prazo

 O petróleo nacional fará diferença para a economia se abrir espaço nas contas externas para a importação de bens essenciais, sobretudo equipamentos e tecnologia. Mas só haverá uma indústria competitiva se ela for eficiente, especialmente quanto ao uso de energia.

 Nos EUA, segundo estudos diversos, o gasto de energia por unidade fabricada diminuiu ao nível de 1999, enquanto a economia cresceu 25%, a despeito do renascimento da produção própria de óleo e gás.

 Produtividade e preocupação ambiental são vieses de longo prazo no mundo. É um movimento em que já estivemos na vanguarda com o etanol e as hidrelétricas. A renda potencial do pré-sal pode ser tanto um facilitador desse processo como também a sua ruína.

Longa hegemonia ameaçada

 A panorâmica das economias dos EUA e da China indica menos e não mais consumo de energia desde o choque do petróleo de 1973. O maior impulso vem do aumento da eficiência dos motores, do abandono de termelétricas movidas a óleo (e também a carvão) por gás natural e fontes renováveis (eólica, nuclear, solar), regras de edificação visando maior aproveitamento da iluminação e do calor etc.

 Tais transformações, algumas por razão de custo, outras a toque de leis mais rígidas, a maioria pelo avanço tecnológico e, atualmente, devido a preocupações ambientais, estão criando outra economia. Nos EUA, maior poluente em volume, e na China, o recordista per capita, não são ações protelatórias. É isso o que ameaça a longa hegemonia do petróleo como propulsor da economia moderna.

 Há oportunidades e riscos. O pré-sal como agente transformador é benefício. Como fonte de riqueza passiva e acomodação, é melhor nem cogitar.

'
Enviando