Home > ARTIGOS > Métricas de juro neutro continuam em queda e já estão mais próximas de 2%

ARTIGOS

19/02/2020 13:05 por Redação

Métricas de juro neutro continuam em queda e já estão mais próximas de 2%

Mais reformas são necessárias para viabilizar o teto de gastos nos próximos anos

Igor Velecico*

Vimos, nos últimos anos, um movimento intenso de queda de juros neutros (ou estruturais) da economia brasileira.Desde o seu pico, de cerca de 6% em 2015, nossas estimativas sugerem que os juros neutros caíram para 2,5%-3,0% em 2019 e, mais recentemente, cederam mais uma vez, dessa vez para cerca de 2,0% em termos reais.

Por sua vez, a formação de salários no Brasil está passando por uma transformação estrutural.Nesse mesmo período de forte aumento de gastos, o crescimento nominal do salário mínimo (SM) ficou entre 10% a 15% ao ano. Muitas vezes esse aumento antecedia os próprios ciclos expansionistas de juros, aumentando ainda mais a demanda agregada. Como sabemos, o SM é um preço “farol” importante: cerca de 40% dos brasileiros recebem até um SM e cerca de dois terços recebem até dois.

Hoje, o reajuste do SM tem se dado bem mais próximo da meta de inflação do que na faixa de 10% a 15% no passado.Com isso, em última instância, dois terços da formação dos salários do Brasil passam por uma transformação estrutural, mais alinhados à inflação geral da economia, qualquer que seja o ritmo de crescimento econômico.

Apesar do enorme avanço, o processo de consolidação dos juros brasileiros ainda está em andamento.Entendemos que essa queda teve muito a ver com a melhora de percepção das contas públicas, mas reconhecemos que ainda há muito a se fazer nessa agenda. Mais reformas são necessárias para viabilizar o teto de gastos nos próximos anos. Dentro dessa agenda, acelera-se o processo de convergência dos juros brasileiros para um patamar mais próximo dos pares e, com juros de equilíbrio mais baixos, o superávit fiscal necessário para estabilizar a razão dívida/PIB diminui ainda mais, gerando um círculo virtuoso para a economia.

Clique no botão DOWNLOAD, logo abaixo, para ler o artigo com gráficos e tabelas.

* Igor Velecico é economista do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos do Bradesco.

DOWNLOAD '
Enviando