Home > ADVILLAGE > Bolsa de criptomoedas não tem como acessar US$ 190 milhões após morte do dono

ADVILLAGE

04/02/2019 16:51 por Advillage

Bolsa de criptomoedas não tem como acessar US$ 190 milhões após morte do dono

Jovem empreendedor da QuadrigaCX , do Canadá, morreu levando consigo a chave de criptografia dos fundos de 115 mil clientes

A bolsa de criptomoeda canadense QuadrigaCX entrou com pedido de falência na semana passada, alegando problemas financeiros, mas sem dar detalhes. O site especializado Coindesk.com obteve acesso a documentos judiciais que trazem informações curiosas – e dramáticas – sobre as dificuldades enfrentadas pela empresa.

De acordo com o site, Jennifer Robertson, viúva do fundador da QuadrigaCX, Gerald Cotten, afirmou em depoimento que a companhia deve cerca de US$ 190 milhões (250 milhões de dólares canadenses) a 115 mil clientes. O problema é que somente uma pequena parte dos criptoativos está armazenada em uma hot wallet (carteira quente, que está sempre online) e o grosso estava em uma cold storage (sem acesso à internet), para protegê-los de possíveis ataques hackers.

O único que tinha acesso a esse “frigorífico virtual” era Cotton, um jovem empreendedor de 30 anos que morreu vítima da doença de Crohn, em dezembro passado, na Índia. Segundo o The Guardian, a empresa diz que ele estava no país asiático “abrindo um orfanato para fornecer uma casa e refúgio seguro para crianças carentes”, detalhe que acrescenta um tempero melodramático à narrativa.

O caso veio à tona após uma decisão do CIBC (Canadian Imperial Bank of Commerce) de congelar US$ 28 milhões em ativos detidos pela Quadriga depois de não conseguir identificar os verdadeiros donos dos fundos.

A viúva tem acesso ao laptop de Cotten, mas o conteúdo sensível está criptografado e ela não possui a senha ou chave de recuperação. Um especialista contratado para desbloquear o acesso também não teve sucesso.

A plataforma continuou a aceitar fundos após a morte de Cotten, mas foi interrompida por diretores em 26 de janeiro. Cinco dias depois, a Quadriga entrou com um pedido de proteção ao credor junto à Suprema Corte da Nova Escócia, pedindo mais tempo para tentar recuperar o estoque de criptomoedas. A companhia estuda vender sua plataforma operacional para tentar pagar os clientes.

Em uma audiência marcada para esta terça-feira (5), a empresa pretende nomear a Ernst & Young como auditor independente.

Siga-nos no Twitter

'
Enviando