Home > DOCES E SALGADOS > PNAD Contínua: desemprego subiu para 11,2% no trimestre encerrado em abril

DOCES E SALGADOS

31/05/2016 09:27 por Redação

PNAD Contínua: desemprego subiu para 11,2% no trimestre encerrado em abril

Rendimento médio do trabalhador foi estimado em R$ 1.962, resultado estável segundo o IBGE

A taxa nacional de desocupação foi estimada em 11,2% no trimestre móvel encerrado em abril de 2016 (fevereiro-março-abril), acima do trimestre encerrado em janeiro de 2015 (9,5%). No mesmo período do ano passado a taxa era de 8,0%.

É maior taxa de desocupação desde o início da pesquisa, em janeiro de 2012. A população desocupada (11,4 milhões de pessoas) cresceu em ambas as comparações: 18,6% (ou mais 1,8 milhão de pessoas) em relação ao trimestre móvel encerrado em janeiro 2016; e 42,1% (mais 3,4 milhões de pessoas desocupadas) em relação ao mesmo trimestre móvel de 2015.

Os dados são da Pnad Contínua, indicador do IBGE que substituiu a Pesquisa Mensal de Emprego.

A taxa de desocupação para os trimestres móveis ao longo dos anos:

pnad
Ocupada - Já a população ocupada (90,6 milhões de pessoas) apresentou redução de 1,1% no confronto com o período de novembro de 2015 a janeiro de 2016. Em comparação com igual trimestre do ano anterior, foi registrada queda de 1,7% (1,5 milhão de pessoas a menos).

O número de empregados com carteira assinada recuou 1,8% em relação ao trimestre encerrado em janeiro e 4,3% no confronto com igual trimestre do ano passado, ou 1,5 milhão de pessoas a menos.

O rendimento médio real habitualmente recebido em todos os trabalhos (R$ 1.962) ficou estatisticamente estável frente ao trimestre encerrado em janeiro (R$ 1.977) e caiu 3,3% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior (R$ 2.030).

A massa de rendimento real habitualmente recebida pelas pessoas ocupadas em todos os trabalhos (R$ 173,3 bilhões) caiu 1,5% sobre o trimestre findo em janeiro e 4,3% sobre o mesmo período de 2015.

Veja a pesquisa completa do IBGE aqui (em pdf).

Análise: Desaceleração da renda média reforça cenário de queda da inflação à frente.

'
Enviando