Home > DOCES E SALGADOS > Bolsonaro abandona entrevista ao ser perguntado sobre crítica de Celso de Mello

DOCES E SALGADOS

29/10/2019 08:40 por Redação

Bolsonaro abandona entrevista ao ser perguntado sobre crítica de Celso de Mello

Decano do STF reagiu a vídeo postado pelo presidente em que um leão (que seria Bolsonaro) é cercado por hienas identificadas como "inimigas"

O presidente Jair Bolsonaro abandonou uma entrevista coletiva, nesta terça-feira (29), ao ser questionado sobre as críticas do decano do Supremo Tribunal Federal, ministro Celso de Mello. O episódio diz respeito a um vídeo, replicado por Bolsonaro em suas redes sociais, nas quais o STF é apontado como um entre vários inimigos do presidente.

Segundo o UOL, ao sair do hotel em que está hospedado na Arábia Saudita para compromissos com a realiza saudita, o presidente brasileiro conversou com repórteres sobre as expectativas da visita oficial. Quando questionado a respeito das críticas do ministro, no entanto, interrompeu a entrevista e deixou o local.

O vídeo postado pelo presidente na segunda-feira, de baixa qualidade técnica, mostra um leão (identificado como Bolsonaro) sendo cercado por hienas, que vão sendo identificadas como várias entidades, instituições e organizações da sociedade brasileira. Entre os inimigos do presidente aparecem o partido dele, o PSL, o STF, a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), legendas de esquerda (como PT e PSOL) e veículos de imprensa, incluindo a Folha. O vídeo termina com a chegada de outro leão, “conservador patriota”, e com um apelo: “Vamos apoiar o nosso presidente até o fim e não atacá-lo. Já tem a oposição pra fazer isso!”, dizia o letreiro.

Bolsonaro postou o vídeo em meio às vitórias da esquerda e manifestações de rua em países da América Latina. “Chile, Argentina, Bolívia, Peru, Equador... Mais que a vida, a nossa liberdade. Brasil acima de tudo! Deus acima de todos!”, escreveu. O vídeo foi excluído do Twitter por volta das 18h da própria segunda-feira.

Expressão odiosa

Procurado pela Folha, Celso de Mello afirmou que o episódio mostra que o "atrevimento presidencial parece não encontrar limites".

“Esse comportamento revelado no vídeo em questão, além de caracterizar absoluta falta de 'gravitas' e de apropriada estatura presidencial, também constitui a expressão odiosa (e profundamente lamentável) de quem desconhece o dogma da separação de poderes e, o que é mais grave, de quem teme um Poder Judiciário independente e consciente de que ninguém, nem mesmo o Presidente da República, está acima da autoridade da Constituição e das leis da República”, afirmou o decano do STF.

“É imperioso que o Senhor Presidente da República — que não é um “monarca presidencial”, como se o nosso país absurdamente fosse uma selva na qual o Leão imperasse com poderes absolutos e ilimitados — saiba que, em uma sociedade civilizada e de perfil democrático, jamais haverá cidadãos livres sem um Poder Judiciário independente, como o é a Magistratura do Brasil”, concluiu Celso de Mello.

'
Enviando