Home > DOCES E SALGADOS > Após a queda em setembro, confiança do comércio volta a subir em outubro

DOCES E SALGADOS

25/10/2019 09:44 por Redação

Após a queda em setembro, confiança do comércio volta a subir em outubro

Melhora foi influenciada pelos indicadores de situação atual, possivelmente impulsionados pela liberação de recursos do FGTS

Após a queda verificada em setembro, o Índice de Confiança do Comércio (ICOM) da Fundação Getulio Vargas subiu 1,2 ponto em outubro, ao passar de 97,2 para 98,4 pontos. Em médias móveis trimestrais, o índice avançou 1,0 ponto, na terceira alta consecutiva.

“A melhora foi influenciada pela evolução positiva dos indicadores de situação atual, possivelmente impulsionados pela liberação de recursos do FGTS, e pela acomodação das expectativas”, avalia Rodolpho Tobler, coordenador da Sondagem do Comércio da FGV IBRE. “Para o final do ano, a expectativa é de manutenção desse cenário positivo de recuperação gradual, com novas rodadas de liberações de recursos e com as recentes melhoras do mercado de trabalho”.

Em setembro, a confiança subiu em 7 dos 13 segmentos. A melhora do índice foi influenciada pelo resultado favorável do Índice de Situação Atual (ISA-COM), que subiu 3,0 pontos, ao passar de 92,1 para 95,1 pontos. Já o Índice de Expectativas (IE-COM) recuou 0,6 ponto, saindo de 102,5 para 101,9 pontos. Apesar da queda, esse é o quarto mês consecutivo em que as expectativas se mantêm acima do nível considerado neutro.

Duráveis, semiduráveis e não duráveis

Nos últimos meses, os resultados mostram uma tendência de recuperação na confiança do comércio, como pode ser observado na série em médias móveis trimestrais. Nos últimos três meses, o ISA-COM subiu 6,4 pontos, recuperando parte das perdas sofridas entre fevereiro e julho quando havia perdido 7,5 pontos. A alta recente foi mais influenciada pelos segmentos de semiduráveis e não duráveis. Vale ressaltar que os principais segmentos que se mostraram otimistas com a liberação de recursos do FGTS1 fazem parte do grupo de semiduráveis e não duráveis (exceto móveis e eletrodomésticos que são do grupo de duráveis).

A edição de outubro do ICOM coletou informações de 851 empresas entre os dias 1º e 23 deste mês.

'
Enviando