Home > DOCES E SALGADOS > Coronavírus: China isola 40 milhões de pessoas e fecha monumentos

DOCES E SALGADOS

24/01/2020 08:49 por Redação

Coronavírus: China isola 40 milhões de pessoas e fecha monumentos

Esforço abrange de 13 cidades na região de Wuhan; apesar da tensão, OMS acha prematuro decretar emergência internacional

O coronavírus já matou pelo menos 26 pessoas na China e há mais de 830 casos de infeção confirmados. Nesta sexta-feira (24), o governo chinês colocou em quarentena mais de 40 milhões de habitantes de 13 cidades na região de Wuhan, na região central do país. A Grande Muralha foi parcialmente fechada para evitar a propagação do vírus.

Outros monumentos emblemáticos, como os túmulos da dinastia Ming e a floresta Yinshan Pagoda, serão fechados neste sábado (25). O Estádio Nacional de Pequim, conhecido como Ninho do Pássaro, construído para os Jogos Olímpicos de Pequim/2008, teve suas portas fechadas hoje. O governo também suspendeu as comemorações do Ano Novo chinês.

Mais de mil casos suspeitos estão sendo analisados, há 174 pacientes em estado grave e 34 deixaram o hospital, relata a Rádio França Internacional. Diante da rápida proliferação do vírus, Pequim tomou a decisão inédita de proibir todos os trens e aviões que chegam e saem de Wuhan e bloquear as estradas. Os barcos que fazem travessias no rio Yangtsé, em torno de Wuhan, também tiveram o tráfego interrompido nos dois sentidos. O governo da região já iniciou a construção de um novo estabelecimento com capacidade para receber mil doentes, que deve ficar pronto em dez dias.

A Comissão Nacional da Saúde anunciou pela primeira vez que duas mortes foram registradas longe do epicentro da epidemia: em Hebei, perto de Pequim, e Heilongjiang, perto da fronteira com Rússia.

Em uma reunião em Genebra, a Organização Mundial da Saúde reconheceu ontem que a situação é urgente na China, mas entendeu que era cedo para considerar a existência de uma “emergência internacional.”

Em Davos, onde acontece o Fórum Econômico Mundial, a coalizão formada para enfrentar epidemias anunciou que os testes clínicos de uma nova vacina ocorreriam no verão. Da mesma família da SARS (Síndrome Respiratória Aguda Severa), o vírus se espalhou para vários países da Ásia e até para os Estados Unidos, onde alguns casos foram registrados. iCngapura e Vietnã também anunciaram casos de contaminação.

Os controles de temperatura corporal se espalharam por vários aeroportos da Ásia, do Pacífico e também no Reino Unido, Nigéria e Itália. Em Dubai, todos os viajantes procedentes da China serão submetidos a análise por câmeras térmicas.

O vírus foi detectado em dezembro em um mercado de frutos do mar em Wuhan. Sua origem exata ainda não é conhecida, mas seu período de incubação é em torno de 14 dias. Trata-se de um novo tipo de coronavírus, uma família com um grande número de vírus. Eles podem causar doenças leves nos seres humanos (como um resfriado), mas também outras mais graves, como a SARS. Em 2002-2003, a SARS matou 774 pessoas em todo mundo, sendo 648 na China, incluindo Hong Kong.

Brasil

A Anvisa integra o Centro de Operações de Emergência – Coronavírus, criado na quarta-feira (22) pelo Ministério da Saúde. O comitê tem como objetivo preparar a rede pública de saúde para o atendimento de possíveis casos no Brasil, a fim de responder a eventuais ocorrências “de forma unificada e imediata”.  Não há casos confirmados da doença no Brasil.

A Anvisa diz que está orientando as equipes que trabalham em portos, aeroportos e fronteiras sobre a detecção de casos suspeitos e a utilização de equipamento de proteção individual, conforme protocolos da agência em eventos de saúde pública. E foram intensificados os procedimentos de limpeza e desinfecção nos terminais. 

Até o momento, não há recomendação de restrições de viagem.

Leia mais: Coronavírus: reforço do controle em portos e aeroportos.

'
Enviando