Home > ARTIGOS > Última PME mostrou continuidade da elevação do desemprego em fevereiro

ARTIGOS

23/03/2016 13:10 por Redação

Última PME mostrou continuidade da elevação do desemprego em fevereiro

Mais uma vez a pesquisa mensal do IBGE mostrou comportamento volátil da população economicamente ativa

Depec-Bradesco*

A taxa média de desemprego nas regiões metropolitanas de Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre alcançou 8,2% em fevereiro, de acordo com os dados divulgados hoje na Pesquisa Mensal de Emprego (PME) do IBGE. Excetuados os efeitos sazonais, a taxa de desocupação passou de 7,7% para 8,1% entre janeiro e o mês passado.

Leia: Desemprego ficou em 8,2% em fevereiro na média de seis capitais.

Ressaltamos que nossa taxa de desemprego filtrada também apresentou alta, ainda que em menor magnitude, de 8,4% para 8,6%. Consideramos que essa medida ilustra mais fielmente a dinâmica do desemprego neste primeiro trimestre (a taxa de desemprego filtrada é calculada a partir do tratamento dos movimentos atípicos da PEA, população economicamente ativa).

Mais uma vez, a PME mostrou comportamento volátil da PEA no período, ao registrar queda interanual de 1,1%, após ter subido 0,1% e caído 0,3% em dezembro e janeiro, respectivamente. Já a ocupação acelerou seu ritmo de retração no período, ao recuar 3,6% em relação ao mesmo período do ano passado (anteriormente, a queda foi de 2,7%). Com isso, a taxa de participação manteve-se em torno de 55%, um dos menores níveis da série histórica.

Desse modo, não apenas a alta do desemprego (desde 2013-2014) não se deveu ao aumento da PEA, como foi, na verdade, atenuada pela sua queda. Conforme já destacado em publicações anteriores, ao invés de trabalharmos com uma taxa de participação constante, preferimos aplicar filtros estatísticos tanto na série da PEA quanto na da ocupação, pois entendemos que a sua volatilidade tende a ser contemporânea.

O rendimento médio nominal manteve a desaceleração observada nos últimos meses, ao apresentar alta interanual de 2,6%, inferior aos 3,1% observados em janeiro. Assim, o rendimento médio real alcançou R$ 2.407,53, o que corresponde a uma variação interanual negativa de 7,5%. Esperamos que a redução dos ganhos nominais contribua, em alguma medida, para aliviar a inflação ao longo deste ano, ao exercer menor pressão sobre os preços dos serviços.

Dessa forma, mantemos nossa expectativa de continuidade do enfraquecimento do mercado de trabalho à frente, ainda reagindo ao desempenho negativo da atividade econômica. Conforme enfatizado em publicações anteriores, lembramos que essa foi a última divulgação da PME, que será substituída pela Pnad Contínua. Em relação a esta última, os dados referentes a janeiro serão divulgados amanhã (24) pelo IBGE.

* Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos do Bradesco.

'
Enviando