Home > ADVILLAGE > Suécia arquiva investigação sobre Assange por acusação de estupro

ADVILLAGE

19/05/2017 08:06 por Advillage

Suécia arquiva investigação sobre Assange por acusação de estupro

Polícia britânica, porém, diz que ele será preso se deixar a embaixada do Equador em Londres, onde está abrigado desde 2012

A Justiça da Suécia anunciou hoje (19) que foram encerradas as investigações sobre o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, por acusação de estupro. O arquivamento do caso, por decisão da promotora Marianne Ny, põe fim a uma saga judicial que se estendia desde 2010.

Assange, ex-hacker australiano de 45 anos, se refugiou na embaixada do Equador em Londres em 2012 para evitar a extradição para a Suécia devido à acusação de estupro, que ele sempre negou. O caso remonta a agosto de 2010, quando uma sueca o acusou de ludibriá-la quanto ao uso correto de preservativo durante uma relação sexual. Pelas leis suecas, a conduta pode ser considerada “estupro menor”.

Assange temia que, uma vez preso e levado a Estocolmo, poderia ser extraditado para os Estados Unidos e processado por espionagem, fraude e outras alegações em razão da publicação de milhares de documentos secretos militares e diplomáticos norte-americanos pelo WikiLeaks, em um dos maiores vazamentos de informações da história dos EUA.

Ainda pode ser preso – A polícia britânica afirma que, apesar do arquivamento do processo na Suécia, Assange será preso se deixar o prédio da embaixador do Equador em Londres, onde está abrigado, assinala a Reuters.

Em comunicado, a polícia de Londres diz que Assange continua sendo alvo de mandado de prisão independentemente da decisão dos procuradores suecos. "A Corte de Magistrados de Westminster emitiu um mandado de prisão para Julian Assange depois que ele se recusou a comparecer ao tribunal em 29 de junho de 2012", diz a nota.”O Serviço Metropolitano de Polícia é obrigado a cumprir esse mandado caso ele deixe a embaixada".

Leia, de 2010: Zuckerberg é a Personalidade do Ano da Time, mas leitores queriam Julian Assange.

Siga-nos no Twitter

'
Enviando