Home > DOCES E SALGADOS > Vendas no varejo brasileiro caíram 0,9% entre setembro e outubro, diz IBGE

DOCES E SALGADOS

13/12/2017 09:09 por Redação

Vendas no varejo brasileiro caíram 0,9% entre setembro e outubro, diz IBGE

Apesar do Dia das Crianças, houve queda em 22 unidades da Federação; baixa mais expressiva ocorreu em outros artigos de uso pessoal e doméstico

As vendas do comércio varejista brasileiro caíram 0,9% em outubro de 2017, em relação a setembro. A receita nominal recuou 0,5%. No confronto com outubro de 2016 (sem ajuste sazonal) as vendas cresceram 2,5%, enquanto a receita subiu 1,0%.

Com os resultados de outubro, o acumulado do ano aponta alta de 1,4% nas vendas e de 1,9% na receita nominal. Em 12 meses, houve aumento de 0,3% nas vendas e incremento de 2,1% na receita. Os dados são da Pesquisa Mensal do Comércio, do IBGE.

Ampliado - Se incluídos os segmentos de veículos e material de construção (o chamado comércio varejista ampliado), tanto as vendas quanto a receita nominal tiveram queda de 1,4% entre setembro e outubro. Na comparação com outubro/16, o varejo ampliado cresceu 7,5% nas vendas e 5,4% na receita. O acumulado de 12 meses aponta alta de 1,4% nas vendas e de 2,5% na receita nominal. Em 2017, os acumulados são de +3,2% nas vendas e de +3,1% na receita.

Em outubro de 2017, sete das 10 atividades colheram resultados negativos para o volume de vendas, em relação a setembro, com destaque para outros artigos de uso pessoal e doméstico (-3,5%), tecidos, vestuário e calçados artigos (-2,7%) e móveis e eletrodomésticos (-2,3%). No sentido inverso, as altas foram verificadas em equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (+3,4%), combustíveis e lubrificantes (+2,4%) e livros, jornais, revistas e papelaria (+2,4%).

O comportamento das vendas do comércio varejista em outubro 2017, em relação ao mês anterior (os percentuais entre parênteses indicam as variações em 12 meses):

• Combustíveis e lubrificantes: 2,4% (-3,6%)
• Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo: -0,3% (0,0%)
• Tecidos, vestuário e calçados: -2,7% (3,3%)
• Móveis e eletrodomésticos: -2,3% (5,2%)
• Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos: -0,7% (0,3%)
• Livros, jornais, revistas e papelaria: 2,4% (-5,3%)
• Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação: 3,4% (-1,4%)
• Outros artigos de uso pessoal e doméstico: -3,5% (0,7%)
• Veículos e motos, partes e peças: -1,9% (-0,8%)
• Material de construção: -1,0% (6,6%)

Por estado

Varejo restrito -
No varejo restrito, as vendas no varejo caíram em 22 das 27 unidades da Federação, em relação a setembro. Os maiores recuos foram observados em Roraima (-5,2%), Alagoas (-4,5%) e Mato Grosso (-3,3%). A principal alta foi anotada em Minas Gerais (+2,1%).

Varejo ampliado - Na comparação anual (em relação a setembro de 2016), as vendas tiveram resultados positivos em todas as unidades da Federação. As altas mais expressivas foram anotadas no Tocantins (26,0%), Amazonas (18,8%) e Mato Grosso (17,9%).

Veja a pesquisa na íntegra aqui.

'
Enviando