Home > DOCES E SALGADOS > Trump anuncia pelo Twitter a saída de seu conselheiro de segurança nacional

DOCES E SALGADOS

10/09/2019 14:12 por Redação

Trump anuncia pelo Twitter a saída de seu conselheiro de segurança nacional

Conhecido pelo estilo linha dura, John Bolton deixa o governo dos EUA por desavenças com o chefe

“Eu informei a John Bolton ontem à noite que seus serviços não são mais necessários na Casa Branca. Eu discordei fortemente de muitas de suas sugestões, assim como outros da administração e, portanto (...) pedi a John sua demissão, que me foi dada esta manhã. Agradeço muito a ele por seus serviços. Vou nomear um novo consultor de segurança nacional na próxima semana”.

Com esses dois tuítes em sequência, publicados no início da tarde desta terça-feira (10), o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou a saída do conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, John Bolton.

Minutos depois, o próprio Bolton, que tinha na agenda de hoje uma reunião na Casa Branca ao lado do secretário de Estado Mike Pompeo e do secretário do Tesouro Steven Mnuchin, também foi ao Twitter: “Eu me ofereci para renunciar ontem à noite e o presidente Trump disse: 'Vamos falar sobre isso amanhã'"’, escreveu.

A saída de John Bolton ocorre após uma série de desavenças com o chefe. Nos últimos tempos, Trump vinha tentando afrouxar as tensões com o Irã e a Coreia do Norte, enquanto Bolton adotava uma atitude mais conflituosa com os adversários dos EUA.

O site americano Politico.com relata que Bolton, que serviu como embaixador dos EUA nas Nações Unidas por 16 meses sob o governo do ex-presidente George W. Bush, foi apontado como o principal assessor de segurança nacional de Trump em abril de 2018, apesar da oposição generalizada dos democratas e da preocupação de diplomatas graduados por sua propensão a soluções militares e pelo papel que ele desempenhou na origem da guerra do Iraque.

Bolton, de 70 anos, é o terceiro consultor de segurança nacional da presidência de Trump. Os anteriores foram H. R. McMaster e Michael Flynn. Ele esteve no Brasil em novembro do ano passado e se reuniu com Jair Bolsonaro, que já estava eleito e assumiria a presidência algumas semanas depois. O encontro chamou atenção especialmente pela iniciativa do brasileiro de bater continência para o visitante norte-americano.

'
Enviando