Home > DOCES E SALGADOS > Brasil lidera piora do clima econômico na América Latina

DOCES E SALGADOS

10/05/2019 08:57 por Redação

Brasil lidera piora do clima econômico na América Latina

Resultado do ICE em abril é o oposto do observado em janeiro, quando o país liderou a melhora do indicador da Ifo/FGV

Em janeiro deste ano, a Sondagem Econômica da América Latina destacou a liderança do Brasil na melhora do clima econômico da região. O cenário mudou.

Após dois trimestres consecutivos de recuperação, o Indicador Ifo/FGV de Clima Econômico (ICE) da América Latina - elaborado em parceria entre o Instituto alemão Ifo e a FGV - recuou ao passar de 9,1 pontos negativos para 21,1 pontos negativos entre janeiro e abril.

A deterioração do índice foi influenciada pela queda do Indicador da Situação Atual (ISA) e do Indicador das Expectativas (IE). O Indicador das Expectativas (IE) caiu 15,8 pontos ao passar de 25,0 para 9,2 pontos no mesmo período ainda permanece na zona favorável. Já, o Indicador da Situação Atual (ISA) apresentou queda menor, de 9,0 pontos, permanecendo com saldo de respostas negativo.

A queda do ICE da América Latina foi influenciada pela piora dos indicadores do Brasil e do México, considerando que o resultado dos indicadores é ponderado pela participação do PIB de cada país, e que juntos são responsáveis por 63% do resultado agregado América Latina.

O ICE do Brasil recuou de 3,6 pontos positivos para 21,1 pontos negativos entre janeiro e abril de 2019. Essa devolução é explicada pela deterioração nas expectativas, considerando que o IE caiu 31,7 pontos, mas ainda se mantém positivo, e do ISA com recuo de 19,0 pontos.

O nível do ICE do México é menor, mas na comparação com o Brasil a queda entre janeiro e abril foi menor ao recuar de 41,9 negativos para 43,7 pontos negativos.

Colômbia e Peru

O ICE melhorou apenas na Colômbia e Peru. Em ambos os casos foi verificada recuperação das expectativas e da avaliação sobre a situação atual. Nos demais países, houve piora do clima econômico, com exceção do Equador, que não registrou nenhuma mudança. Ressalta-se que, apesar da piora no ICE, Chile e Paraguai, ao lado da Colômbia e do Peru são os únicos países que estão em zona de avaliação favorável.

Principais problemas

O levantamento de abril incluiu uma enquete sobre os principais problemas que os analistas consideram que limitam o atual crescimento dos países. Pela ordem de importância, foram mais citados a corrupção, a infraestrutura inadequada e a falta de inovação.

“Como esperado, dada a ponderação pelo PIB, os principais problemas da América Latina coincidem com os do Brasil”, diz o estudo, que destaca um quarto empecilho: as barreiras legais e administrativas aos investidores.

Ranking

O ranking do ICE médio na América Latina dos últimos quatro trimestres encerrados em abril de 2019 (os números entre parênteses indicam as pontuações em janeiro/19):

01. Paraguai: 23,1 pontos em abril (32,9 pontos em janeiro)
02. Colômbia: 21,5 (17,3)
03. Peru: 19,4 (11,2)
04. Chile: 18,0 (29,0)
05. Bolívia: 7,4 (5,4)
06. Brasil: -24,3 (-21,9)
07. México: -25,2 (-19,8)
08. Uruguai: -26,2 (-15,4)
08. Argentina: -42,2 (-26,2)
10. Equador: -45,1 (-38,7)
11. Venezuela: -100,0 (-97,0)

Leia mais: Clima econômico no mundo registra melhora entre janeiro e abril.

'
Enviando