Home > DOCES E SALGADOS > Trump diz "não ter pressa" para finalizar acordo comercial com a China

DOCES E SALGADOS

10/05/2019 08:29 por Redação

Trump diz "não ter pressa" para finalizar acordo comercial com a China

Entrou hoje em vigor a tarifa de 25% sobre produtos chineses; Pequim promete retaliar, mas mantém negociações

A guerra comercial entre Estados Unidos e China ganhou nova intensidade nesta sexta-feira (10), com a entrada em vigor da medida de Donald Trump que eleva para 25% a taxa tarifária sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses. Pequim promete retaliar, assinala a Reuters.

Apesar da iniciativa protecionista de Trump, negociadores dos dois países reunidos em Washington concordaram em manter as negociações pelo segundo dia, mantendo vivas as esperanças de um eventual acordo.

A temperatura pode subir ainda mais. Hoje, o presidente dos EUA disse no Twitter que “iniciou a papelada” para taxar em 25% outros US$ 325 em importações chinesas. E garantiu não ter pressa alguma para finalizar um acordo comercial.

Em Pequim, o Ministério do Comércio da China, lamentou “profundamente” a decisão dos EUA, acrescentando que irá adotar contramedidas necessárias, sem dar mais detalhes.

China Mobile

A China criticou nesta sexta-feira a decisão da agência reguladora americana de telecomunicações de bloquear a entrada da operadora China Mobile no mercado dos Estados Unidos por razões de segurança. Segundo a AFP, a negativa aos planos da empresa chinesa foi anunciada ontem, no momento em que acontecia uma importante sessão de negociações em Washington para acabar a disputa comercial com Pequim.

"Pedimos aos Estados Unidos que respeitem os princípios da economia de mercado e acabem com a prática equivocada que consiste em utilizar sempre a segurança nacional como pretexto", afirmou Geng Shuang, porta-voz do ministério das Relações Exteriores.

A China Mobile, maior operadora do mundo em número de assinantes, apresentou em 2011 um pedido nos Estados Unidos para fornecer seus serviços de telecomunicações. As preocupações das autoridades americanas concentram-se no fato de que a empresa é controlada pelo governo chinês.

'
Enviando