Home > ADVILLAGE > Número de seguidores de empresas no Instagram cresceu 33,8% em 2018

ADVILLAGE

04/02/2019 15:53 por Advillage

Número de seguidores de empresas no Instagram cresceu 33,8% em 2018

Estudo da FAAP considera os 100 perfis de marcas brasileiras com mais interações na plataforma; Facebook tem queda no número de usuários

O número de seguidores de perfis de empresas no Instagram cresceu 33,82 no Brasil em 2018, segundo o estudo Mídias Sociais 360º, do Núcleo de Inovação em Mídia Digital (NiMD) da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP).

O levantamento, realizado trimestralmente em parceria com a plataforma de monitoramento Socialbakers, mede as atividades dos 100 primeiros perfis de negócios, dentro dos setores Mídias e Notícias, Bens de Consumo, Entretenimento, E-Commerce e Marcas / Institucional. Traz, ainda, dados dos 100 perfis de influenciadores digitais com mais interações.

Facebook - No Facebook, o setor "E-Commerce" foi o único que demostrou um leve crescimento em 2018. No primeiro relatório de 2018 - referente aos meses de janeiro, fevereiro e março - as marcas de E-commerce que fazem parte do levantamento possuíam juntas 1.605.398 fãs. No final do ano, terminaram com média de 1.653.506.

Nas demais categorias, houve perda, com destaque para a de "Marcas/Institucional", que caiu 14% na média de fãs durante 2018. Esse número pode explicar a diminuição do investimento publicitário desse segmento no Facebook. No primeiro trimestre do ano passado, 77% dos posts feitos nessas páginas eram impulsionados. Já nos meses de outubro, novembro e dezembro, essa porcentagem caiu para 63%.

O professor Thiago Costa, coordenador da pós-graduação em Comunicação e Marketing Digital da FAAP e um dos analistas da pesquisa, acredita que é um movimento natural, considerando a mudança no comportamento dos usuários de redes sociais. "O Facebook, mesmo sendo ainda a rede mais usada no mundo, se envolveu em muitas polêmicas em 2018, com destaque para o escândalo da Cambridge Analytica, e isso acabou tirando um pouco da sua credibilidade, afastando os usuários", lembra Costa. Para ele, há também um afastamento do público mais jovem, que vem cada vez mais preferindo o Instagram.

Twitter  - A plataforma mais utilizada por políticos, tanto no Brasil quanto no exterior, não passou incólume por 2018. No Twitter, o estudo da FAAP divide a avaliação dos perfis por "Marcas" e "Não-Marcas", considerando celebridades, artistas e outras figuras públicas nessa última categoria.

Em janeiro, fevereiro e março de 2018, as 100 principais "Não-Marcas" tinham, em média, 3.600.522 seguidores. Esse número caiu para 3.185.652 no último trimestre do ano. Já para as "Marcas", o número médio de seguidores, dentro da mesma comparação, caiu de 324.135 para 313.158.  

Instagram - Acompanhando a subida no número de seguidores das marcas no Instagram, aumentou também a interação dos usuários com esses perfis.  No início do ano passado, havia uma média de 4.617 interações nas postagens, terminando com 4.835. Já entre os perfis de celebridades, essa relação caiu de 163.980 para 104.534.

"Isso não significa que as pessoas deixaram de interagir. É mais provável que seja um sinal de que a limpeza que a plataforma fez em meados de 2018 funcionou, retirando milhares de perfis falsos que serviam apenas para inflar números, mas que não eram de pessoas reais", indica o professor Adriano Cerullo, coordenador da pós-graduação em Branded Content & Entertainment da FAAP  e integrante da equipe que desenvolve o estudo.

Alguns destaques:

• No último trimestre de 2018, 89% das publicações do segmento de "Mídia/Notícias" no Facebook foram patrocinadas.
• As páginas de "E-Commerce" demoraram, em média, 5 horas e 31 minutos para responder aos usuários no Facebook no último período do ano.
• No 4º trimestre, quase um terço das publicações (29%) dos 100 maiores perfis brasileiros no Instagram não usou nenhuma hashtag.

Acesse o NiMD-FAAP aqui.

Siga-nos no Twitter

'
Enviando